+351 966 530 152

  • ODONTOPEDIATRIA
  • ORTODONTIA
  • PERIODONTOLOGIA
  • IMPLANTOLOGIA
  • REABILITAÇÃO ORAL
  • ENDODONTIA – TRATAMENTO DE CANAL (CANAIS)
  • OCLUSÃO – DESORDENS DA ARTICULAÇÃO TEMPORO-MANDIBULAR
  • ODONTOGERIATRIA
  • A GRAVIDEZ E A MEDICINA DENTÁRIA
  • A DOENÇA ONCOLÓGICA E A MEDICINA DENTÁRIA
  • TRATAMENTOS DENTÁRIOS COM ANESTESIA GERAL
  • HIGIENE ORAL
  • BRANQUEAMENTO
  • TRAUMATISMOS DENTÁRIOS

 

Manter os dentes das nossas crianças saudáveis e fortes é importante para a prevenção da dor e da infecção, mas também para permitir uma alimentação adequada. Os dentes de leite são também importantes para manter o espaço dos dentes permanentes que têm de erupcionar. A visita das crianças ao Médico Dentista deve ser educativa e informativa de práticas saudáveis, mas ao mesmo tempo deve ser agradável. A motivação é um factor crucial nestas idades e muitas vezes determinante da saúde oral na idade adulta, e associada com práticas preventivas evitará futuros problemas dentários.É muito importante dar à criança MOTIVAÇÃO e entusiasmo com o cuidado dos seus dentes, elogiando a sua conduta cada vez que escova os dentes.

DAR-LHES AJUDA  As crianças são o grupo etário com maior risco de contrair cárie dentária, porque tendem a comer com mais frequência e têm menor experiência na escovagem.Deve-se realizar a escovagem da mesma maneira que escovamos a nós próprios sendo aconselhável situar-se atrás da criança e inclinar a sua cabeça para trás.
PRIMEIRAS CONSULTAS NO MÉDICO DENTISTA
É muito importante que a primeira consulta no Médico Dentista seja feita quando a criança complete a sua dentição decídua, primária ou de leite: 20 dentes. Isto acontece por volta dos 2 anos e meio a 3 anos.

O Médico Dentista examinará os dentes, gengivas e maxilares da criança para comprovar a existência de indicios de algum problema e para a ensinar o modo correcto de escovar e cuidar dos seus dentes.

RESPONSABILIDADE DOS ADULTOS – PAIS E PROFESSORES GERAR O HÁBITO

Ao ensinarmos correctamente desde o principio, estamos a dar à criança bases de uma higiene oral adequada para toda a vida. Aprenderá a integrar a higiene oral na sua rotina diária, tal qual o horário das refeições ou o horário em que pode brincar.
É aconselhável ensinar uma técnica de escovagem simples, como a técnica do movimento circular. Criar o costume de escovagem pelo menos 2 vezes por dia, ao acordar e antes de ir dormir, durante pelo menos 2 minutos. Temos de dar especial atenção aos molares já que são a principal área de desenvolvimento das cáries.

OS PRIMEIROS DENTES

Os primeiros a erupcionar devem ser os quatro incisivos, entre os 6-12 meses.
Pode estar associado à erupção: gengivas avermelhadas, aumento da salivação, perda de apetite e alteração dos hábitos nutricionais, ansiedade, dificuldade em dormir.
O desconforto da criança pode ser aliviado limpando a boca 2- 3 vezes por dia com uma gaze molhada ou recorrendo a mordedores e geles disponíveis no mercado.
Se a criança apresentar febre, vómitos ou diarreia, deverá ser consultada pelo seu médico assistente pois poderá existir outra causa subjacente.Por volta dos 3 anos de idade a maioria das crianças já possui a dentição decídua ou de leite completa (20 dentes). São muito importantes, já que ocupam o lugar dos dentes definitivos, se um dente decíduo se perde, o definitivo pode erupcionar rodado ou ectópico.

A DENTIÇÃO DEFINITIVA

Os dentes decíduos começam a ser substituídos aproximadamente aos 6 anos, processo que dura até aos 12-13 anos. Por volta dos 18 anos surgem os 3ºmolares para completar a dentição de 32 peças.
Durante o processo de substituição das peças dentárias deve-se ter muito cuidado, já que a diferença de tamanho existente entre os dentes decíduos e os definitivos faz com que haja espaços entre eles, podendo acumular-se comida e placa.

PREVENÇÃO- CÁRIES PRECOCES DA INFÂNCIA

-Promover a amamentação materna pelo menos até 4-6 meses de idade

-Não colocar liquidos açucarados no biberão ou na chupeta. Os açucares dos liquidos interactuam com as bactérias da boca do bebé formando ácidos que atacam o esmalte dos seus dentes.

-Antes de erupcionarem os primeiros dentes devemos ter o cuidado de depois das refeições usar de uma gaze húmida ou uma dedeira para limpar as gengivas e assim eliminar a placa que se tinha formado.

-Após terem erupcionado os dentes, devem-se escovar os dentes após as refeições com uma escova de filamentos suaves.

-Evitar consumo de açucares, refrigerantes

-Escovar os dentes pelo menos 2 vezes por dia com uma pasta fluoretada

-Trocar de escova de 3 em3 meses

-Usar fio ou fita dentária para limpar os espaços interdentários

-Visitar o Médico Dentista pelo menos 1 vez por ano

PREVENÇAO- FLÚOR

 DEVE ADMINISTRAR-SE FLÚOR ÀS CRIANÇAS?
De acordo com as recomendações da Direcção Geral da Saúde:
 é dada prioridade às aplicações tópicas sob a forma de dentífricos administrados na escovagem dos dentes desde a sua erupção.
-os comprimidos (0,25mg F diário) e gotas anteriormente recomendados só serão administrados após os 3 anos a crianças de alto risco de cárie dentária.
-nesta situação, os comprimidos devem ser dissolvidos na boca, lentamente, preferencialmente antes de deitar.

PREVENÇÃO – SELANTES DE FISSURAS

Um SELANTE DE FISSURAS é uma espécie de «verniz» que se aplica na superfície fissurada de dentes sãos com o objectivo de prevenir o aparecimento de lesões de cárie dentária.Está, por norma, indicada a aplicação de selante de fissuras nos primeiros e segundos molares definitivos, bem como nos pré-molares.
DENTE MOLAR DEFINITIVO COM SULCOS ANTES DE SER APLICADO O SELANTE DE FISSURA – FONTE: SITE ORDEM MÉDICOS DENTISTAS
DENTE MOLAR DEFINITIVO COM SULCOS APÓS SER APLICADO O SELANTE DE FISSURA – FONTE: SITE ORDEM MÉDICOS DENTISTAS

PREVENÇÃO – HÁBITOS

Os hábitos de sucção não nutritiva (CHUPETA, SUCÇÃO DIGITAL) devem ser abandonados até cerca dos 3 anos de idade, atendendo à possibilidade de auto-correcção de desarmonias no desenvolvimento das arcadas dentárias.
Relativamente ao BIBERÃO, o hábito deve ser abandonado, idealmente, quando a criança completar 1 ano.
COMO FAZÊ-LO?
-diluir gradualmente em água o conteúdo do biberão, para que após 2 semanas se ofereça à criança apenas água;
-reduzir gradualmente a quantidade de fluido até que o hábito cesse, sendo o biberão substituído, por exemplo, pelo copo com palhinha ou colher.

PROCESSO DE ESCOVAGEM

-Começar escovando a superficie dos molares, com movimentos para a frente e para trás

-Nas superficies exteriores colocar a escova com uma inclinação de 45º em relação à linha das gengivas
-As superficies frontais e interiores devem-se escovar mantendo a escova para cima e fazendo movimentos suaves e verticais com a ponta
– Limpar bem a linha da gengiva
-Escovas próprias para crianças, pasta com flúor, adaptadas à idade

Como deve ser efectuada a escovagem dentária nas crianças?

– de acordo com as normas da Direcção Geral da Saúde:

0-3 anos

 3-6 anos

>6anos

escovagem                 realizada pelos pais a partir da erupção do primeiro dente

escovagem realizada progressivamente pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada
escovagem realizada pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada caso não possua destreza manual suficiente
2x/dia (uma obrigatoriamente ao deitar)

2x/dia (uma das quais obrigatoriamente ao deitar)

2x/dia (uma das quais obrigatoriamente ao deitar)

utilizando uma gaze, dedeira ou escova macia de tamanho adequado.
utilizando escova macia de tamanho adequado.
utilizando escova macia (ou em alternativa média)
A quantidade de dentífrico fluoretado (1000-1500 ppm) deverá ser semelhante ao tamanho da unha do 5º dedo da criança.
A quantidade de dentífrico fluoretado (1000-1500 ppm) deverá ser do tamanho de uma pequena ervilha ou até 1cm de dentífrico.

CONTEÚDO EM ACTUALIZAÇÃO – EM BREVE TERÁ DISPONIVEL UMA NOVA ÁREA ORTODONTIA NESTE ESPAÇO.

 

É a especialidade da Medicina Dentária responsável pelo diagnóstico, prevenção e tratamento dos problemas de alinhamento dos dentes e dos maxilares.

O termo técnico desses problemas é má-oclusão, que literalmente significa má-mordida.

O tratamento ortodôntico envolve estudo e uso de aplicações correctivas para levar os dentes e os maxilares para o correcto alinhamento.

Porquê alinhar os dentes?

As pessoas fazem tratamento ortodôntico para melhorar aparência, saúde e a função dos seus dentes.

APARÊNCIA

As pessoas ficam preocupadas com o aspecto dos seus dentes e um sorriso atractivo pode ter um papel importante na auto-confiança.

Nos dias de hoje, com boa higiene oral e cuidados dentários regulares, os seus dentes deveriam durar a vida toda – não seria bom se eles fossem bonitos também?

HIGIENE

É mais difícil limpar os dentes quando estão apinhados. Uma higiene inadequada é um factor primordial para cárie dentária, doença gengival/periodontal e eventualmente para a perda dentária.

DESGASTE DENTÁRIO 

Algumas más-oclusões levam a desgaste dentário aumentado

DANOS GENGIVAIS 

Em más-oclusões severas os dentes podem causar problemas gengivais. Por exemplo, em casos de sobremordida, os incisivos inferiores podem morder na gengiva atrás dos incisivos superiores.

PROBLEMAS NA ATM (ARTICULAÇÃO TEMPORO-MANDIBULAR) 

Está demonstrado que algumas más-oclusões causam danos e dor na ATM.

FALA

Algumas pessoas têm dificuldade em falar convenientemente devido a problemas de alinhamento dos dentes e dos maxilares.

Quando começar um tratamento de ortodontia?

Os problemas ortodônticos são habitualmente detectados aos 7 anos, quando os dentes incisivos definitivos erupcionam. Contudo, podem ser detectados problemas antes.

Um exame precoce permite ao dentista detectar/ avaliar problemas e planear um correcto plano de tratamento.

Um tratamento precoce pode prevenir o desenvolvimento de problemas ou tornar o tratamento ortodôntico no futuro mais curto ou menos complicado. O tratamento precoce pode conseguir resultados que não são possíveis de atingir quando a face e os maxilares terminam o crescimento.

Na maior parte dos casos, o tratamento ortodôntico começa quando se perde o último dente de leite, por volta dos 13 anos. Em alguns casos, é uma vantagem começar o tratamento antes de perder os últimos dentes de leite.

No passado, o tratamento ortodôntico estava restrito às crianças. Todavia, o processo básico envolvido na movimentação dentária é o mesmo para todas as idades e o tratamento ortodôntico é também eficaz nos adultos.

Na idade adulta os ossos faciais não crescem, e devido a isso, algumas más-oclusões não podem ser corrigidas apenas com aparelho. Nestes casos, o tratamento ortodôntico combinado com cirurgia maxilar consegue atingir melhorias dramáticas.

Se pensa que tem um problema ortodôntico, a melhor altura para fazer uma consulta é agora!!!

 

PROBLEMAS ORTODÔNTICOS

DENTES APINHADOS

Uma desarmonia entre o tamanho dos dentes e dos maxilares pode resultar em apinhamento dentário.

Os dentes apinhados podem ser inestéticos e mais difícil de higienizar. Eles são propensos aos desgaste desigual.

O tratamento ortodôntico envolve usualmente o uso de aparelho que é a forma mais eficiente e precisa de alinhar os dentes.

Por vezes é necessário fazer extracções dentárias para providenciar espaço suficiente para permitir aos dentes o alinhamento na posição estável e harmoniosa com os maxilares e a face.

DENTES ECTÓPICOS

 

Dentes ectópicos são dentes que erupcionam em sítios errados.

Na maior parte dos casos, dentes ectópicos podem ser movidos para a correcta posição com aparelho.

DENTES ESPAÇADOS
Os espaços podem resultar numa desarmonia entre o tamanho dos dentes e dos maxilares ou pela deglutição atípica.
Os espaços entre os dentes podem ser inestéticos e interferir com a fala.
O tratamento ortodôntico habitualmente usa um aparelho para alinhar os dentes e fechar os espaços.
 Uma deglutição atípica deve ser eliminada ou o espaçamento pode voltar a aparecer

DENTES IMPACTADOS OU INCLUSOS

Dentes impactados não têm espaço suficiente para erupcionar.

Tratamento ortodôntico envolve criação de espaço para permitir ao dente impactado erupcionar.

DENTES PROTRUÍDOS

Dentes protruidos resultam quando a posição do maxilar superior está à frente do maxilar inferior.
Em casos severos, o lábio inferior pode estar por trás dos dentes incisivos superiores e puxá-los ainda mais para a frente e acentuar a desarmonia.

Dentes protruidos podem ser inestéticos e ser mais sujeitos a fractura por acidente. Muitas vezes são usados de forma irregular. Por vezes, os dentes incisivos inferiores podem sobre-erucionar e causar danos na gengiva atrás dos dentes incisivos superiores.

O tratamento ortodôntico envolve o alinhamento, nivelação e coordenação de ambos os maxilares com aparelho. Nos doentes em crescimento, a mordida pode ser corrigida com máscaras ou aparelhos funcionais.

Em casos severos, especialmente em doentes adultos, pode ser necessário cirurgia para corrigir a desarmonia.

FALTA DE DENTES

Falta de dentes resulta habitualmente em espaços inestéticos.

Os dentes oponentes e os vizinhos podem migrar ou inclinar-se para o espaço e criar ainda mais problemas.O tratamento ortodôntico envolve mover todos os dentes para a correcta posição e criar o espaço apropriado para facilitar a substituição dos dentes em falta com prótese.Em determinadas situações, é possível fechar os espaços e evitar ter que substituir os dentes com próteses.
MORDIDA ABERTA
 

Mordidas abertas existem quando os dentes oponentes não contactam.

Uma mordida aberta pode causar problemas ao comer e levar ao excessivo uso dos dentes que fazem o contacto. Uma mordida aberta pode ser inestética e estar associada a problemas na fala.

Mordidas abertas são causadas usualmente por hábitos parafuncionais da língua. Muitas vezes podem ser corrigidas com aparelho, e se os hábitos não desaparecerem, a mordida aberta pode voltar a aparecer.

MORDIDA COBERTA
 

Os dentes incisivos superiores e/ou inferiores podem sobre-erupcionar e produzir uma mordida coberta.

Em casos severos, os dentes superiores podem cobrir os inferiores completamente.

Uma mordida coberta pode causar uso excessivo dos dentes incisivos e causar danos na gengiva por trás dos dentes incisivos superiores.

Mordidas cobertas podem produzir forças excessivas na articulação temporo-mandibular resultando em problemas nesta articulação.

MORDIDA CRUZADA – POSTERIOR E ANTERIOR

Os dentes superiores devem encaixar por fora dos dentes inferiores como uma tampa sobre uma caixa. Se o maxilar superior é muito estreito, o maxilar inferior oscila para um dos lados para permitir que os dentes molares contactem. Resulta uma mordida cruzada posterior. Pode resultar um desgaste irregular dos dentes, uma força excessiva e problemas na articulação temporo-mandibular.

O tratamento ortodôntico pode envolve o uso de um aparelho expansor em doentes em crescimento. Quando o maxilar superior já estiver alargado, o maxilar inferior pode fechar normalmente.

Os dentes incisivos também podem erupcionar em mordida cruzada anterior.

MORDIDA INVERTIDA
Quando o maxilar inferior está à frente do maxilar superior, os dentes incisivos inferiores iclinam-se para a frente dos dentes superiores.Pode ser inestético e causar uso desigual dos dentes incisivos e  problemas na articulação temporo-mandibular.Em casos moderados, tratamento convencional com aparelho pode ser usado para corrigir o problema.Em casos severos, é necessário cirurgia maxilar apara corrigir a mordida e criar um perfil facial mais harmonioso.
SUCÇÇÃO DA LÍNGUA OU DO DEDO
Estes hábitos de sucção podem produzir uma deformação local dos dentes e do osso de suporte.Quando se remove o hábito, uma melhoria natural aparece.
OUTROS PROBLEMAS
Pode ser necessário tratamento ortodôntico se estivermos perante:
– dificuldades ao mastigar;
– dificuldades na fala;
– hábito de apertar /cerrar os dentes;
– maxilares que se deslocam ou fazem estalido.

O TRATAMENTO ORTODÔNTICO

Vários estádios de um normal tratamento de ortodontia

PRIMEIRA CONSULTA

Durante esta visita o paciente é examinado clinicamente. Isto permite ao Médico Dentista dar um conselho acerca das opções de tratamento disponíveis, quando o tratamento deve começar, a duração do tratamento e o custo aproximado. Por vezes só é possível dar estas informações com exactidão após estudo de cada caso.

Se o paciente decide avançar com o tratamento, uma consulta é marcada para se recolher dados:

Moldes dos dentes

Fotografias dos dentes e da face

Radiografias dos dentes e dos maxilares

Estes dados permitem fazer uma análise de cada caso detalhadamente e são usados também como registo da má-oclusão existente para referência futura.

PLANO DE TRATAMENTO

Nesta consulta o Médico Dentista fala com o paciente acerca do plano de tratamento, elaborado usando a informação obtida na primeira consulta e da recolha de dados.

Então o tratamento inicia ou se for ainda muito cedo, faz-se uma revisão periódica até que seja a altura apropriada para avançar.

EXTRACÇÕES E OUTROS PROCEDIMENTOS PRELIMINARES

Por vezes é necessário remover dentes para ganhar espaço suficiente para alinhar os dentes.

As cáries dentárias devem ser tratadas e também deve ser feita uma limpeza dentária.

BRACKETS, BANDAS E ARCOS

São a maneira mais eficiente de mover dentes.

Os brackets normalmente são feitos de metal, embora possam ser usados brackets estéticos, normalmente mais dispendiosos.

Os brackets ficam nos dentes durante todo o tratamento.

Pacientes fazem 1 consulta aproximadamente 1 vez por mês para ajustamentos, trocar os arcos, etc.

ELÁSTICOS  

Durante o tratamento, alguns doentes podem precisar de usar estes elementos, importantes para fornecer forças extra para a correcção da mordida.

QUANTO TEMPO?

O tratamento ortodôntico demora habitualmente entre 18-24 meses. Alguns casos podem finalizar mais cedo e outros podem demorar mais tempo. O tempo total depende da severidade da má-oclusão inicial, do tipo de tratamento levado a cabo e da cooperação do doente.

CONTROLOS DENTÁRIOS 

Durante o tratamento ortodôntico, os doentes devem continuar a fazer os regulares controlos dentários.

CONTENÇÃO

Quando se termina a parte activa do tratamento ortodôntico, o aparelho é removido e é colocada uma contenção para manter os dentes na sua nova posição. Esta contenção pode ser feita com goteiras removíveis ou arames fixos por trás dos dentes.

A contenção desempenha um papel importante no tratamento ortodôntico, e se não for usada segundo as instruções, os dentes podem mover-se de novo para a posição original.

As contenções são usadas habitualmente:

– a tempo inteiro durante 1 ano

– apenas durante a noite mais 1 ano

– eliminadas por completo passado mais 1 ano

Os dentes corrigidos são observados perodicamente- 1 a 2 vezes por ano, durante 5 anos após as contenções terem sido eliminadas.

APLICAÇÕES ORTODÔNTICAS

brackets, arcos, ligaduras e tubos/bandas

São a maneira mais eficaz de mover os dentes. São fixos aos dentes durante o tratamento ortodôntico.

Os Brackets são “colados” na superfície externa do dente. Os metálicos são os mais frequentes e são feitos de aço inoxidável ou uma liga de titânio. Também existem brackets em ouro ou brackets estéticos. Estes últimos podem ser em plástico ou em cerâmica. São mais difíceis de usar e normalmente mais dispendiosos. Os brackets auto-ligáveis têm um mecanismo que prendem o bracket no arco sem necessidade de ligaduras.

Os Arcos providenciam a força para mover os dentes

As ligaduras são pequenos anéis elásticos (que podem ter inúmeras cores) ou finos fios metálicos usados para fixar o arco nos brackets.

As bandas são argolas de metal cimentadas à volta do dente.

COMO FUNCIONAM?

Um arco distorcido exerce uma força em cada dente e quando retorna ao ideal, forma original pré-fabricada, move o dente que está ligado através do osso e gengiva.
Cada bracket é especifico para cada dente e os arcos são progressivamente mais espessos e rígidos de modo a alinhar os dentes gradualmente.

brackets linguais

São usados por dentro dos dentes e são por vezes pedidos pelos doentes uma vez que não se veêm. Contudo, os brackets linguais são mais difíceis de usar que os brackets convencionais e poucos Médicos Dentistas usam esta técnica.

elásticos

São bandas elásticas colocadas entre o aparelho superior e o inferior para mover dentes.

O movimento dentário desejado é obtido colocando ganchos em sítios apropriados no aparelho.

aparelhos expansores

São usados para alargar o maxilar superior quando este é muito estreito em relação com o maxilar inferior.É um aparelho fixo que usa um parafuso de expansão que é rodado regularmente para controlar a expansão.

aparelhos funcionais

 

São aparelhos usados para corrigir uma desarmonia na relação entre o maxilar superior e a mandibula. Eles funcionam influenciando o crescimento e desenvolvimento de um doente em crescimento.

O uso mais comum é para estimular o crescimento de uma maxila pouco desenvolvida ou retrusiva. O aparelho funcional segura a maxila para a frente durante um período até que os dentes, maxilares e articulações se adaptem e a posição articular tenha sido obtida.

A eficácia destes aparelhos depende:

– tempo que é usado

– rapidez de crescimento do doente

Os aparelhos funcionais alinham os maxilares e não os dentes, portanto são usados numa primeira fase de tratamento – doentes em crescimento com uma desarmonia maxilar considerável.

aparelhos removíveis

São usados para mover dentes através de molas de arame. Estão limitados apenas a movimentos simples, em crianças que estão em vias de perder os últimos dentes de leite. As molas estão unidas a uma base acrílica que se estabiliza aos dentes com ganchos.

São também usados para manter posições dentárias, como aparelhos funcionais ou como elevadores de mordida.

Invisalign – Ortodontia Invisivel

invisalign

 

Série de alinhadores sequenciais transparentes e removíveis, realizados à medida, com um desenho e fabricação com tecnologia 3D.  À medida que se substitui cada alinhador pelo próximo da série, os dentes mexem, pouco a pouco, semana após semana, até que atingem a posição correcta final.

Os pacientes usam os alinhadores cerca de 22 horas por dia- são removidos para comer e para escovar os dentes. Troca-se de alinhador a cada 14 dias.

Este sistema permite ao dentista planificar o plano de tratamento em 3D e permite que o paciente visualize os objectivos do tratamento e como ficará o seu sorriso final.

Vantagens em relação aos métodos tradicionais com brackets:

-estético

-cómodo, ao ser removível facilita a higiene oral e previne descalcificações e aparecimento de cáries

-ideal para alérgicos aos metais

-tempo de consulta reduzido e consultas espaçadas

-diminução do número de emergências

Invisalign – Assim se coloca e se remove!

 

 

 – Ortodontia Personalizada –

 

Principais características do Sistema INSIGNIA

  • Ortodontia à medida do doente
  • Planificação e desenho 3D
  • Individualização dos brackets e arcos para cada doente
  • Plano de tratamento digital com brackets e arcos fabricados à anatomia dentária de cada um
  • Duração de tratamento menor
  • Visualização dos resultados finais antes de iniciar o tratamento

aparelhos de contenção

Quando termina o tratamento, o aparelho é removido e é colocado um aparelho de contenção para manter os dentes na sua nova posição.

Estes aparelhos podem ser placas acrílicas removíveis ou arames fixados atrás dos dentes.

Os aparelhos de contenção são muito importantes, e se não usados correctamente, os dentes podem mexer-se e regressar à posição original.

Existem muitos tipos de contenção e muitas instruções de como usá-las. O mais importante é o seguinte – devem ser usados com frequência adequada e durante o tempo suficiente para poder encaixar confortavelmente.

 

 

microimplantes

São dispositivos de ancoragem temporária colocados no osso maxilar, podendo ser usados como “pontos de âncora” para influenciar o movimento dentário.

Permitem o tratamento de problemas ortodônticos mais graves sem o movimento indesejado dos dentes adjacentes. Em alguns casos, podem reduzir o tempo de tratamento ou evitar a necessidade de uma cirurgia maxilar. São usados em conjunto com o aparelho e removidos quando já não são necessários.

CUIDADOS DOS DENTES E DAS GENGIVAS

Para termos dentes e gengivas saudáveis devemos remover de forma adequada a placa bacteriana todos os dias.

A placa é a película de bactérias aderentes com coloração que se forma constantemente sobre a superfície dos dentes. Se não removida, é uma das principais razões de perdas dentárias e doenças gengivais.

Siga estas simples instruções:

– escove os dentes, gengivas e brackets 3 vezes por da (especialmente após as refeições)

– lave entre os dentes pelo menos uma vez por dia e sempre antes de ir dormir

– use uma pasta fluoretada- o flúor é usado para ajudar a prevenir a cárie dentária

– use um elixir fluoretado pelo menos uma vez por dia para ajudar a reduzir o risco de aparecimento de cavidades- cárie dentária

– traga consigo uma pasta dos dentes e o fio dentário para lavar os dentes mesmo quando não está em casa

  COMO LAVO TODAS AS ÁREAS DA MINHA BOCA ENQUANTO USO APARELHO?

No inicio, fazer um bom trabalho removendo placa dos dentes e da linha da gengiva parece muito difícil usando aparelho. Mas com um bocado de prática fica mais fácil.

Seguindo estas dicas também ajuda:

– primeiro, remover partes removíveis, como elásticos se os tiver.

– colocar a escova num ângulo de cerca de 45º com a gengiva e aplicar pressão suave enquanto escova para a frente e para trás, cima e baixo, e movimentos circulares. Devemos escovar cada dente individualmente durante 10 segundos.

– use a mesma técnica de escovagem na superfície interna e externa dos dentes

– não se esqueça de escovar as superfícies mastigatórias dos dentes e certifique-se que também escova os dentes posteriores (de trás).

– termine escovando entre os brackets, de um modo cuidado para não dobrar nenhum arco ou quebrar nenhuma peça do aparelho.

COM QUE FREQUÊNCIA DEVO ESCOVAR O MEU APARELHO?

É importante que limpe o aparelho sempre que escova os dentes. O aparelho funciona como uma “armadilha” para a placa bacteriana, aumentando o risco do aparecimento de cárie dentária e doença gengival.

COMO EU PASSO O FIO DENTÁRIO COM O APARELHO? 

O uso do fio dentário permite remover a placa bacteriana entre os dentes e em baixo da linha da gengiva – áreas que não estão ao alcance da escova de dentes. De facto, se não usar o fio dentário, aproximadamente 40% das superfícies dentárias ficam por limpar!

Use um fio ortodôntico com uma ponta rija que passa no intervalo entre cada dente, acima do arco para os seus dentes superiores e debaixo do arco para os dentes inferiores.

Curve o fio à volta de cada dente numa forma de “C” e mova-o suavemente para cima e para baixo de cada dente, incluindo a linha abaixo da gengiva. Desenrole uma nova secção de fio sempre que avançar de dente em dente.

QUAIS OS MELHORES PRODUTOS PARA O APARELHO?

ESCOVAS ORTODÔNTICAS têm cerdas aparadas em forma de “V” para escovar acima e abaixo dos brackets e do arco

ESCOVAS ELÉCTRICAS podem remover mais placa que as tradicionais escovas manuais. Algumas já vêm com “cabeças” especificas para o doente com aparelho ortodôntico.

ESCOVILHÕES INTERDENTÁRIOS têm “cabeças” pequenas com cerdas muito finas, ideais para limpar por trás do arco e entre os dentes.

APARELHOS DE IRRIGAÇÃO usam uma pressão de água ou elixir para limpar à volta do aparelho e ao longo da linha da gengiva. A maior parte tem possibilidade de aumentar ou diminuir a pressão de modo a poder ser usado também em áreas mais sensíveis.

HIGIENE DE UM APARELHO REMOVIVEL

Remova o aparelho removível da boca e escove os dentes normalmente. De seguida use a escova e a pasta para limpar o aparelho. Certifique-se que escova suavemente as áreas gengivais cobertas pelo aparelho, incluindo o palato (“céu da boca”) se usa um aparelho removível superior.

CONTINUE A SORRIR

Usar um aparelho requer paciência e disciplina. Contudo, os resultados do tratamento podem ser mais do que um sorriso saudável, um tratamento ortodôntico pode prevenir um desenvolvimento de um problema mais sério.

Um higiene oral cuidada é muito importante para manter o tempo de tratamento correcto e pode até reduzi-lo. Contribui também para a saúde dentária e gengival a longo-prazo

A sua recompença é… um bonito e saudável sorriso para a vida!!!

EMERGÊNCIAS ORTODÔNTICAS

As emergências ortodônticas ocorrem ocasionalmente e embora possam ser incomodativas para os doentes, normalmente são relativamente simples de resolver.

PARTES DO APARELHO:

– Brackets: estão unidos directamente a cada dente

– Arco: é unido a todos os brackets e gera força para mover os dentes no correcto alinhamento

– Ligaduras: pequenos anéis em borracha ou finos fios metálicos torcidos, usados para ligar o arco a cada bracket. Brackets com sistema auto-ligáveis não requerem o uso de ligaduras

– Banda metálica: argolas metálicas cimentadas nos dentes no sentido de providenciar um meio de ligação mais forte

– Ganchos e Elásticos: ganchos são usados para ligar elásticos, ajudando a mover os dentes para a sua posição final

FERRAMENTAS ÚTEIS PARA LIDAR COM A MAIOR PARTE DAS EMERGÊNCIAS ORTODÔNTICAS:

– cera ortodôntica

– fio dentário

– pinça esterilizada

– pequeno afiado corta arame

– sal

– escovilhão interdentário

– palitos silicone

– analgésico

– anestesia tópica

TRATAMENTOS DE EMERGÊNCIA

COMIDA ENTRE OS DENTES

Isto não é uma emergência, mas pode ser desconfortável ou embaraçoso para o doente. É facilmente resolvido com uso de um fio dentário, um escovilhão interproximal ou um palito de silicone para desalojar a comida entre dentes ou brackets.

PERDA DE LIGADURAS

Pequenos anéis elásticos ou finos metais, conhecidos como ligaduras, mantêm o arco nos brackets. Se uma ligadura se perder, contacte o seu Médico Dentista no sentido de agendar consulta para repor a ligadura.

LIGADURA QUE SE SOLTA

Se uma ligadura elástica se solta, o doente pode conseguir colocá-la usado uma pinça esterilizada. Se uma ligadura metálica está solta, simplesmente tente retirá-la com uma pinça esterilizada. Se uma ligadura metálica está voltada para o lábio, mas não está solta, pode ser dobrada para trás para eliminar a irritação.

DESCONFORTO

É normal o doente sentir desconforto durante 1 a 2 dias após as consultas de controlo. O desconforto é temporário. Deve ser feita dieta mole nesse período. Pode estar aconselhável fazer bochechos com água morna salgada ou uma medicação analgésica.

FERIDAS NA BOCA – AFTAS

Alguns doentes são mais susceptiveis de fazer feridas. Uma ou mais áreas de úlceras podem aparecer nas bochechas, lábios ou língua, o que se torna muito desconfortável para o doente. Um alivio imediato pode ser feito usando uma pequena quantidade de anestesia tópica com um cotonete directamente na área afectada.

IRRITAÇÃO DOS LÁBIOS E DAS BOCHECHAS

Por vezes o aparelho pode ser irritativo para a boca, especialmente quando o doente está a comer. Uma pequena quantidade de cera ortodôntica pode funcionar muito bem como tampão entre o metal e a boca. Simplemente tire um pouco de cera ortodôntica, forme uma bola do tamanho de uma pequena ervilha, achate-a e coloque-a a cobrir totalmente a área do aparelho que causa a irritação. Pode comer mais confortavelmente deste modo. Se ingerir cera acidentalmente não se preocupe, pois é inofensiva.

ARCO PROTUBERANTE – EM EXCESSO

Ocasionalmente a parte terminal do arco move-se e irrita a boca do doente. Se o arco não puder ser deslocado para uma posição confortável, use cera ortodôntica para diminuir desconforto. Em último recurso, se o arco estiver a incomodar muito pode cortá-lo com um corta arame ou tesoura afiada. Use uma gaze para impedir que engula o pedaço cortado. Pode ser necessário usar cera para dar conforto à área irritada.

BRACKETS, ARCOS OU BANDAS SOLTOS

Informe o seu Médico Dentista.

PERDA DE BRACKETS

Os brackets são a parte do aparelho cimentada aos dentes. Podem sair se o doente comer algo muito duro ou crocante, ou se, por exemplo durante a prática desportiva sofrer um acidente. Todos os doentes ortodônticos devem usar uma goteira mole de protecção enquanto praticam desporto.

Marque consulta logo que possível com o seu Médico Dentista.

PEÇA DO APARELHO É ENGOLIDA OU ASPIRADA 

Se uma peça do aparelho é engolida não é natural que haja dificuldade em respirar. Informe o seu Médico Dentista e siga as suas indicações.

Muito raramente uma peça pode ser aspirada ( encontrada na via aérea). Se o doente tosse muito ou tem dificuldade em respirar, a peça pode ter sido aspirada. Quando isto acontece pode ser muito alarmante para o doente. Se alguém que esteja com o doente conseguir ver a peça, pode cuidadosamente tentar tirá-la. Mas não faça nada se achar que não pode fazer da melhor maneira. Ligue ao seu Médico Dentista


RISCOS DE UM TRATAMENTO ORTODÔNTICO

Todos os tratamentos dentários, incluindo o tratamento ortodôntico, têm benefícios e limitações. Felizmente, na ortodontia, as complicações são pouco frequentes e quando ocorrem, têm consequências mínimas. Contudo, todos os potenciais riscos e limitações devem ser consideradas quando se toma a decisão de fazer um tratamento ortodôntico.

Deve ter conhecimento dos potenciais riscos e limitações que se aplicam ao seu caso e deve saber se existem outros tratamentos alternativos. Pergunte ao seu Médico Dentista tudo o que não tenha percebido.

Deve clarificar as suas expectativas quantos aos resultados do tratamento enquanto doente para atingir bons resultados. Saiba que no tratamento ortodôntico, como na Medicina em geral, os resultados não podem ser garantidos. O factor desconhecido em qualquer tratamento é a resposta do doente ao tratamento ortodôntico.

Os principais riscos do tratamento ortodôntico estão relacionados com:

HIGIENE ORAL E DIETA

Se os dentes não são higienizados correctamente, podem surgir problemas como doença gengival, cárie dentária e desmineralizações (manchas brancas nos dentes).

Uma dieta rica em açúcar aumenta a probabilidade de desmineralizações e cárie dentária.

Os aparelhos ortodônticos não causam estes problemas. Contudo, é necessário mais esforço para manter uma adequada higiene oral quando se usa um aparelho, e os riscos de qualquer destes problemas aparecerem é maior durante um tratamento ortodôntico

Portanto, é essencial ter um cuidado especial na higiene oral quando se está em tratamento ortodôntico. Durante o tratamento o seu Médico Dentista deve avisá-lo se não está a fazer uma higiene adequada.

RECIDIVA

Os dentes podem ter tendência para mudar as suas posições após o tratamento. O uso adequado de contenções reduz este risco.

Os dentes podem mover-se em qualquer altura, tenham sido ou não, submetidos a tratamento ortodôntico. Isto é especialmente verdade durante o final da adolescência quando um período de crescimento activo dos ossos faciais está em fase terminal.

Os dentes mais vulneráveis são os dentes da frente (incisivos). Durante a vida, a mordida pode modificar-se devido a vários factores como erupção dos 3ºs molares- sisos, respiração bucal e hábitos orais como por exemplo tocar um instrumento musical de sopro.

Só muito ocasionalmente é que os movimentos dentários são tão severos que necessitem de um novo tratamento para atingir um resultado satisfatório.

SAÚDE GENGIVAL

A saúde do osso e gengiva que suporta os dentes pode ser afectada pelo movimento dentário se já existia doença, e em raras ocasiões onde não aparentava existir doença gengival.

Regra geral, o tratamento ortodôntico diminui a possibilidade de perdas dentárias e infecção gengival devido ao desalinhamento dos dentes e dos maxilares.

Pode ocorer inflamação das gengivas e perda de osso de suporte se a placa bacteriana não é removida diariamente com uma boa higiene oral.

REABSORÇÃO RADICULAR

Em alguns doentes, o comprimento das raízes dos dentes pode diminuir durante o tratamento. Alguns doentes são propensos a esta reabsorção, outros não. É quase impossível prever susceptibilidade.

Usualmente esta reabsorção não tem consequência alguma, mas em raras ocasiões pode ser uma ameaça à longevidade do dente envolvido.

ARTICULAÇÃO TEMPORO-MANDIBULAR (ATM)

Ocasionalmente os doentes podem sofrer de dores ou disfunção da ATM. Pode-se manifestar como dor articular, de cabeça ou ouvidos.

Estas manifestações podem ocorrer com ou sem tratamento ortodôntico. Qualquer dos sintomas deve ser transmitido ao Médico Dentista. Alguns doentes estão susceptiveis a problemas na ATM e outros não.

Numerosos estudos demonstraram que o movimento dos dentes durante o tratamento ortodôntico está relacionada com o inicio dos problemas da ATM.

Tal como as dores nas outras articulações, o desconforto na ATM pode durar desde poucos dias a várias semanas.

VITALIDADE DENTÁRIA

Por vezes os dentes podem ter sido traumatizados por um acidente prévio ou os dentes podem ter tido cárie dentária ou restaurações que podem causar danos à polpa (nervo) do dente.

O movimento ortodôntico, em alguns casos, pode agravar esta situação, e em raras ocasiões pode levar à perda da vitalidade dentária e à sua descoloração, sendo necessário proceder ao tratamento endodôntico (“desvitalização”) e outros tratamentos dentários para restabelecer a coloração dentária.

PERDA DE PEÇAS E DESCONFORTO

O desconforto típico do uso de um aparelho recém-colocado dura entre 24-48 horas.

As gengivas, bochechas e lábios podem ser feridos ou irritados por um aparelho posto recentemente, por perda de peças, peças descoladas ou partidas do aparelho. Será instruído pelo seu Médico Dentista no sentido de minimizar estes efeitos. Muito raramente, podem ser engolidas peças do aparelho que se soltam.Assim que se aperceba, deve avisar o seu Médico Dentista de sintomas estanhos ou quando se soltam peças do aparelho.

CRESCIMENTO ATÍPICO

O crescimento dos maxilares pode ser insuficiente, excessivo ou assimétrico. Isto pode limitar o Médico Dentista a atingir os resultados desejados.Se o crescimento se torna desproporcionado durante o tratamento, o tratamento pode ser mais prolongado.Alterações de crescimento que ocorram após o tratamento ortodôntico podem alterar a qualidade dos resultados do tratamento, assim como requerer a necessidade de um novo tratamento. Em alguns casos de crescimento atípico, a mordida pode alterar tanto que pode ser necessário recorrer à cirurgia maxilo-facial.

MÁSCARAS

Se incorrectamente usadas, podem causar danos na face.

TEMPO DE TRATAMENTO

O tempo total de tratamento pode exceder o tempo estimado. Os factores mais comuns responsáveis pelo aumento do tempo de tratamento e que podem comprometer a qualidade dos resultados são: pouca colaboração do doente no uso de elásticos as horas necessárias por dia; fraca higine oral; peças soltas ou partidas e falta às consultas de controlo.

COLABORAÇÃO DO DOENTE

Uma boa colaboração do doente é a melhor garantia para atingir um sorriso bonito e uma boa mordida. Uma falta de colaboração do doente pode levar o Médico Dentista a alterar o plano de tratamento e os objectivos do tratamento. Em última instância, o tratamento pode ser suspenso. A consequência de um abandono de tratamento pode ser pior do que se não tivesse sido feito nenhum tratamento.

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA DENTÁRIA GENERALISTA

Quando os dentes têm variações da forma ou número, para atingir o resultado ideal ( por exemplo para fazer o fecho completo de espaço excessivo) pode ser necessário fazer restaurações, coroas e tratamentos gengivais.

SAÚDE GERAL

Prolemas de saúde podem afectar o tratamento ortodôntico . Deve informar o seu Médico Dentista de qualquer alteração no seu estado de saúde.

CIRURGIA MAXILO-FACIAL

Quando a desarmonia entre a posição dos maxilares é severo, pode ser necessário fazer reposicionamento cirúrgico para estabelecer a correcta mordida e um perfil facial mais harmonioso.

O tratamento ortodôntico envolve o uso de aparelho para alinhar, nivelar e coordenar os dentes em cada maxilar seguido de cirurgia para reposicionar o maxilar, de modo que os dentes encaixem correctamente.

TERCEIROS MOLARES – DENTES DO SISO

No final da adolescência, os 3ºs molares erupcionam e os dentes inferiores da frente gradualmente ficam mais irregulares.

No passado, pensava-se que a pressão exercida pelos 3ºsmolares causava aumento da irregularidade. Contudo, estudos recentes sugerem que estes dois eventos não estão relacionados.

De facto, é normal que os incisivos inferiores fiquem mais apinhados com o crescimento, quer estejam ou não presentes os 3ºsmolares!!!

Hoje em dia, os 3ºs molares não são extraídos por rotina. Um raio-x é essencial para uma avaliação de cada caso em particular.

REGRAS GERAIS PARA O TRATAMENTO DOS 3ºMOLARES

Se o 3ºmolar erupciona totalmente para uma posição funcional onde pode ser mantido higienizado e saudável, então o dente deve ser mantido.

Se o 3ºmolar erupciona parcialmente, mas falta espaço para erupcionar totalmente, normalmente aparece uma inflamação local na gengiva. Episódios de infecção aguda na gengiva são comuns, particularmente quando as resistências são baixas. O dente deve ser extraído.

Se o 3ºmolar não erupciona, poderá ser mantido. Normalmente há um baixo risco associado deixando-o em boca e um baixo risco associado à sua extracção.

 

CUSTO DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO

Depende da severidade do problema ortodôntico. Não existem dois tratamentos iguais.

A doença na gengiva ocorre quando a placa bacteriana e o tártaro se vão acumulando nos dentes.
A doença resulta em recessão/retracção gengival e pode levar à perda dentária.
Na maior parte dos casos a doença gengival é prevenida fazendo uma boa higiene oral com escovagem, uso fio dentário e visitas regulares ao Médico Dentista.
É muito comum na população a Gengivite, resultando em sangramento gengival. Este problema é reversível e pode ser tratado e a progressão da doença gengival prevenida com limpezas regulares nas consultas de Medicina Dentária.
Na Periodontite (estádio mais avançado da doença gengival), a inflamação está instalada não só na gengiva mas mais profundamente. Formam-se espaços entre os dentes e as gengivas (bolsas) onde se acumula tártaro, favorecendo a progressão da doença. À medida que estas bolsas se formam a placa bacteriana (tártaro) é mais dificil de ser removida, torna-se mais extensa e mais tóxica. Isto conduz ao aumento do dano no osso de suporte à volta das raízes dos dentes.
O tratamento periodontal permite controlar a doença gengival e reduz os efeitos nos tecidos de suporte dos dentes, prevenindo também a recessão/retracção gengival. Envolve a limpeza da superficie da raiz do dente e alguns procedimentos cirúrgicos.Após uma estabilização inicial ser conseguida, o objectivo é controlar a predisposição à doença através de um cuidado de higiene por parte do doente associado às visitas regulares ao Médico Dentista.
São doenças provocadas por bactérias, mas também estão implicados factores genéticos, ambientais e locais.
Todos valorizamos a nossa saúde e ter uma boa saúde oral é importante porque está demonstrado cientificamente que a doença periodontal – ou doença das gengivas – pode desencadear outras mais gerais e sérias. A gengivite e outras infecções da gengiva, conhecidas como doença periodontal, estão associadas não só ao mau hálito mas também a uma maior incidência de enfartes e doenças cardíacas.
Infelizmente a doença periodontal está a aumentar nos adultos e é a causa número um de perda dentária.
O tratamento adequado previne o sangramento e a recessão gengival e deve ser incorporado, mediante tratamento médico, dentro dos cuidados de saúde desde uma tenra idade.
Uma das principais causas de doenças das gengivas é a placa bacteriana. Ao acumular-se na superficie dos dentes e da gengiva, vai provocar inflamação.
Algumas doenças aumentam o risco de doença gengival. Deve informar o seu Médico Dentista do seu estado de saúde geral.
Fumar aumenta o risco de doença gengival.

SINTOMAS DE DOENÇA GENGIVAL

  • Gengivas vermelhas, sensiveis ou irritadas
  • Sangramento gengival durante a escovagem ou uso do fio dentário
  • Mau Hálito
  • Pús nas gengivas ou entre os dentes
  • Dentes soltos e separados
  • Dentes ou próteses que não encaixam correctamente
Uma detecção e tratamento precoce da doença gengival permite que, na maioria dos casos, a doença seja controlada.
Uma correcta escovagem, o uso do fio dentário e visitas periódicas ao Médico Dentista, aumentam a possibilidade de manter os dentes e gengivas saudáveis ao longo da vida.

DOENÇA GENGIVAL- PERIODONTITE

  • Estado mais avançado da doença gengival.
  •  Doença inflamatória, de causa bacteriana e que afecta tecidos periodontais profundos, produzindo uma destruição de osso e ligamento periodontal.
  • Predomina em adultos a partir dos 30 anos. Sem tratamento evolui até à destruição do suporte dentário e perda do dente.
  • Factores que favorecem a periodontite: tabaco, stress, má-nutrição, falta vitaminas, diabetes, fármacos antiepilépticos, idade, anomalias genéticas.

DIABETES/DOENÇAS PERIODONTAIS

– a diabetes aumenta o risco de vir a sofrer de doenças periodontais

– as doenças periodontais podem afectar a diabetes, porque dificultam o controlo dos níveis de glicemia.

 

DEVE FAZER UMA HIGIENE CORRECTA E VISITAR O MÉDICO DENTISTA PELO MENOS UMA VEZ POR ANO PARA FAZER TRATAMENTO GENGIVAL, PREVENINDO ASSIM INFLAMAÇÃO DOS TECIDOS QUE SUPORTAM OS DENTES, GENGIVA E OSSO!!!

O que é um implante dentário?

É uma fixação colocada no osso maxilar. Funciona como um suporte para um dente ou conjunto de dentes “falsos”. Os implantes fundem-se com os ossos maxilares – ostointegração.

Os implantes são feitos de que material?

São em titânio puro, material inerte e não é conhecido que cause qualquer tipo de fenómeno de rejeição.

Porquê os Dentistas recomendam o tratamento com implantes?

As pessoas estão cada vez mais conscientes da importância de uma dentição saudável no seu bem estar e na sua qualidade de vida. As soluções removíveis têm alguns problemas, pois podem ficar largas e instáveis. Os implantes podem providenciar soluções de reabilitação para dentes perdidos que são funcionais e estéticas.

Quais as vantagens dos implantes?

Providenciam benefícios para aqueles que procuram alternativas e soluções aos problemas.
Permitem:
– adquirir capacidades para mastigar e falar propriamente;
– restaurar a estética facial;
– preservar a estrutura óssea maxilar remanescente;
– redução de problemas gengivais e infecções;
– aumento da confiança e auto-estima.

Qual a taxa de sucesso dos implantes dentários?

O sucesso depende muito do local do maxilar onde são colocados. O melhor local para colocar implantes é na parte frontal do maxilar inferior, onde a taxa de sucesso pode a estar muito próxima a 100%. Em outros locais da boca, a taxa de sucesso pode cair significativamente. De acordo com os dados actuais, a taxa de sucesso na parte frontal da maxila superior está entre 90-95%. Na parte de trás dos maxilares superior e inferior a taxa de sucesso é de cerca de 85-90%.

Quanto tempo após a colocação do implante se espera até colocar os dentes “novos”?

O protocolo diz que devemos esperar 3-4 meses no maxilar inferior e 4-6 meses no maxilar superior antes de construir a solução protética que irá ser suportada pelos implantes. Contudo, muitos estudos recentes indicam que esse período pode ser reduzido em algumas circunstâncias, até mesmo fazer a colocação da solução de reabilitação logo após a colocação dos implantes. Cada caso deve ser avaliado, e o Médico Dentista responsável irá aconselhar qual o melhor para cada situação.

Quem é candidato a colocar implantes?

 Qualquer pessoa com saúde suficiente que queira substituir dentes em falta. Deve ter osso suficiente na área do dente em falta para providenciar ancoragem para os implantes. Algumas pessoas têm falta de todos os dentes e a maioria são excelentes candidatos a implantes dentários, embora se usem também para substituir pequenas pontes, próteses removíveis parciais e mesmo falta de um único dente.

Quem não é candidato a colocar implantes?

Nem todos podem colocar implantes dentários. Alguns factores como diabetes, tabagismo, desordens sanguíneas, algumas medicações, assim como comprometimento da integridade física e mental, podem influenciar o procedimento e o resultado do tratamento.

Como o Médico Dentista determina se existe osso adequado?

Um exame radiográfico é fundamental para determinar a quantidade, a forma e a qualidade do osso na área pretendida para colocar o implante. Em alguns casos, o Médico Dentista pode requerer um TAC maxilar, que providencia uma grande quantidade de informação que não é fornecida numa radiografia convencional.

Se não existir osso suficiente?

Usando vários procedimentos de aumento ósseo, ou em alguns casos, recolhendo osso de outras áreas, o Médico Dentista é habitualmente capaz de providenciar um osso adequado para providenciar suporte para os implantes.

O que acontece se os implantes não integrarem no osso?

Ocasionalmente os implantes dentários falham a sua integração no osso, ou como algumas pessoas dizem são rejeitados. Na maior parte dos casos, são substituídos por outro implante dentário, habitualmente de um tamanho ligeiramente maior.

Os doentes têm de ficar “sem dentes” enquanto os implantes integram no osso?

Isto varia de acordo com as características de cada doente. Na maioria das situações, os doentes saem do consultório com algum tipo de solução protética, especialmente se a zona estética/sorriso estiver envolvido. Esta solução poderá ser removível ou fixa, conforme as circunstâncias. Cada doente e procedimento é avaliado individualmente, e pode ser necessário um período sem prótese durante um curto período.

É doloroso?

Quase sem excepção, os doentes referem muito menos desconforto na colocação dos implantes do que na extracção dentária. O procedimento cirúrgico actual de colocação de implantes dentários é habitualmente feito sob anestesia local e é geralmente indolor. Após 3-4 horas, quando a anestesia deixa de fazer o seu efeito, pode aparecer algum desconforto, que é diferente de doente para doente, mas a maioria nãotem problemas significativos. Normalmente são usados analgésicos por 2 a 3 dias. Há excepções à regra, e alguns doentes experienciam vários níveis de dor e desconforto que pode durar alguns dias. Também pode surgir inchaço e nódoas negras. A maioria dos doentes ficam surpresos com o pouco desconforto e inchaço que experimentam.

Custos dos tratamentos com implantes?

Devido à grande variedade das necessidades dos doentes, marcas de implantes, componentes adicionais necessários e custos laboratoriais, não é possível informar o exacto custo de um implante. Quando os implantes são usados em vez de uma ponte convencional, os custos tendem a ser equivalentes. Em alguns casos, dois ou mais implantes são colocados para promover uma estabilidade adicional. Nestas situações, os implantes são cobrados por unidade com uma pequena quantidade adicional para os componentes que fixam a estrutura protética. Este tratamento tem uma relação custo/beneficio óptima, dando ao doente uma mudança dramática na qualidade de vida por um relativo baixo custo.

Substituir dentes em falta
Os dentes em falta podem e devem ser substituídos. Este facto é importante devido a cada espaço na dentição constituir um potencial problema na saúde dentária a longo prazo. De facto, mesmo um único dente em falta pode provocar, em último caso, a perda de outros dentes e, possivelmente, a alteração permanente da aparência facial.
As pessoas perdem dentes por diversas razões – por acidentes, doenças ou por cuidados deficientes. Outras pessoas herdam maus dentes. Independentemente da razão, as consequências imediatas podem ter um impacto negativo na qualidade de vida. Essas pessoas deixam de poder comer os alimentos de que gostam. Como muitas vezes se sentem inseguras quanto ao seu aspecto físico, deixam de rir e sorrir espontaneamente.
Parar a reacção em cadeia
Infelizmente, estas alterações a curto prazo podem ser apenas o início. Os dentes adjacentes podem colapsar para o espaço do dente em falta, enquanto os dentes no maxilar oposto podem crescer para esses espaços. Dentes em falta a longo prazo podem também levar à reabsorção óssea – ou à redução gradual.

Isto enfraquece os dentes adjacentes, podendo estes também cair. Em resumo, a perda de apenas um dente pode desencadear uma reacção em cadeia que, se não for examinada, pode levar a danos físicos irreversíveis e permanentes.

Tomar uma atitude
Felizmente, as soluções dentárias modernas podem ajudá-lo, bem como ao seu dentista, a controlar a situação numa fase inicial do processo, impedir mais danos e restaurar a sua saúde oral. Ao fechar todos os  espaços o mais rapidamente possível, constrói alicerces firmes para uma vida mais feliz e produtiva que lhe permite aparentar- e sentir – o seu melhor.

PRÓTESE FIXA

NA AUSÊNCIA TOTAL DE DENTES

A perda de todos os dentes pode ter um impacto devastador na qualidade de vida. Faz, muitas vezes, com que as pessoas aparentem ser mais velhas do que se sentem. As soluções convencionais incluem o ajuste da base da prótese ao tecido gengival com um adesivo dentário ou mantendo-a no devido local através de uma selagem ao longo da extremidade da prótese. O sucesso das soluções convencionais depende, em grande parte, da quantidade de osso residual e tecidos moles. A folga na fixação da substituição dos dentes pode também reduzir a capacidade mastigatória, o que pode levar a uma dieta desiquilibrada e à fraca digestão – vegetais e frutas estaladiços, por exemplo, são praticamente impossíveis de comer. A perda óssea pode também progredir e a funcionalidade da substituição dos dentes diminuirá progressivamente. Quando o palato é coberto por uma prótese superior, pode também ser expectável uma redução no sentido do gosto.
Por contraste, a prótese implantosuportada funciona e tem a aparência dos dentes naturais. Os pacientes afirmam que a maior vantagem das próteses dentárias implantosuportadas é a recuperação da auto-estima. Para eles, é novamente possível comer, falar e rir de uma forma desinibida. Outra vantagem é a ausência dos aspectos desagradáveis das próteses dentárias convencionais, incluindo o ajuste inadequado e adesivos incómodos. As pessoas com substituições de dentes com ajuste seguro sentem-se melhor, têm melhor aparência e desfrutam de uma maior qualidade de vida.

PONTE APARAFUSADA SOBRE IMPLANTES

Uma prótese fixa consiste numa ponte de implantes dentários suportada por quatro ou mais implantes. A prótese é fixada firmemente aos implantes dentários e a gengiva permanece livre. Como resultado, o sentido do gosto é mantido. As pontes aparafusadas permitem que os dentes funcionem sem restrições.

SOBREDENTADURA

POR BARRA:
– a barra funciona como um elemento de suporte para uma prótese removível e é suportada por dois ou mais implantes. A prótese é fixada à barra para possibilitar uma retenção segura. A prótese é removível para uma limpeza fácil.
POR BOLA:
Uma prótese removível fixada em dois ou mais implantes utilizando âncoras mecânicas, que retêm a prótese de uma forma muito segura. Após a colocação, uma prótese implantosuportada tem, em grande parte, a função e a aparência de dentes naturais. O sentido do gosto é preservado, dado que o palato não é coberto por uma prótese em acrílico. Deve ser removida para limpeza.

SUBSTITUIR VÁRIOS DENTES EM FALTA

PONTES
Oferecem uma solução fixa para substituir um ou mais dentes em falta.
Os dentes em ambos os lados do espaço em falta são preparados pelo Médico Dentista para poderem apoiar os dentes em falta. A ponte previne os dentes remanescentes de se movimentar para um espaço “livre” deixado pela perda dentária. Os dentes que vão suportar a ponte são preparados e é feita uma impressão para construir a ponte com as proporções certas de tamanho, forma e cor. Enquanto a ponte cerâmica definitiva  está a ser feita em laboratório é usada uma ponte acrilica provisória. Com cuidados regulares de higiene oral e se não houver nenhum acidente traumático, uma ponte pode permanecer em boca durante muitos anos.
PONTES SOBRE DENTES NATURAIS
Para dois ou mais dentes em falta, uma ponte cimentada em dentes naturais é uma solução a longo prazo economicamente viável. A ponte é suportada pelos dentes naturais adjacentes, que têm de ser desgastados antecipadamente para servirem como suporte para a nova ponte.
PONTES SOBRE IMPLANTES
Uma ponte suportada por implantes contraria a perda óssea e protege os dentes saudáveis restantes. Se estiverem em falta dois ou mais dentes, uma ponte firmemente ancorada em implantes possibilita um resultado esteticamente agradável e funcional que ajuda a prevenir a continuação de perda de osso natural.
Ponte cimentada sobre implantes
Ponte aparafusada sobre implantes

SUBSTITUIR UM DENTE EM FALTA

COROA SOBRE IMPLANTE
Se apenas lhe falta um dente, uma coroa dentária totalmente em cerâmica sobre um implante dentário é, muitas vezes, a melhor opção. O implante funciona como alicerce para uma coroa dentária.
A coroa cerâmica é, então, colocada sobre o implante dentário. Corresponde à tonalidade e contorno dos dentes naturais, de modo que ninguém consegue notar a diferença. A substituição de um dente unitário por uma solução baseada em implantes não compromete os dentes saudáveis adjacentes, nem existe um risco que a continuação de perda óssea enfraqueça os dentes adjacentes.

RESTAURAR UM DENTE DANIFICADO

COROA NUM DENTE NATURAL
Uma coroa dentária é utilizada para restaurar qualquer dente destruído ou esteticamente danificado. Muitas vezes, faz sentido restaurar o dente com uma coroa completamente nova.
Para este fim, o dente é suficientemente desgastado para que a nova coroa possa ser colocada na estrutura saudável restante do dente natural. Isto fornece os alicerces naturais e fortes para a nova coroa.
Se o dentista prescrever uma coroa cerâmica, esta será fabricada a partir de materiais biocompatíveis. Será individualmente fabricada para assegurar que corresponde perfeitamente aos dentes naturais adjacentes do paciente.
O tempo de preparação de uma coroa depende do estado do dente danificado. O dente vai ser preparado para assegurar que quando a coroa é colocada tenha o mesmo tamanho, forma e cor que um dente natural.  Enquanto a coroa definitiva está a ser feita em laboratório, é usada uma coroa provisória acrilica fixa.



PRÓTESE REMOVÍVEL

Reabilitação oral que se adapta sobre a gengiva e sobre os dentes remanescentes do doente. Tem a desvantagem de ser necessário ser removida da boca para ser higienizada.
Este tipo de próteses podem ser totais, quando o doente não tem nenhum dente, adaptando-se à gengiva; ou parciais, quando o doente ainda conserva um ou mais dentes naturais na sua boca, sendo que a prótese se adapta à gengiva e aos dentes remanescentes do doente.
Existem dois tipos de próteses removiveis:
  • PRÓTESE REMOVÍVEL ACRILICA: mais volumosa;
  • PRÓTESE REMOVÍVEL ESQUELÉTICA: mais fina e de mais fácil adaptação.

ADAPTAÇÃO À NOVA PRÓTESE DENTÁRIA

Usar uma prótese dentária parcal ou total é o começo e uma nova etapa na sua vida. A sua prótese irá permitir-lhe realizar tudo o que fazia com os seus dentes naturais.
No entanto, é importante que saiba que vai necessitar de algum tempo para se habituar à sua prótese e que provavelmente vai ter que adaptar os seus hábitos.

NO INÍCIO:

  • surge a sensação de presença de um corpo estranho na boca.
  • há produção de mais saliva que o normal.
  • a fala fica um pouco diferente.
  • é normal que morda as bochechas.
  • sente dor e desconforto nas zonas de apoio da prótese.

RECOMENDAÇÕES:

  • Nos primeiros dias, procure mastigar com cuidado para que não morda as bochechas nem sobrecarregue as gengivas. Quando comer, faça movimentos de mastigação verticais e tente mastigar alternadamente com ambos os lados da prótese.
  • Comece por ingerir alimentos mais fáceis de mastigar: carne picada, peixe, verduras cozidas, sopas e puré.
  • Para o ajudar a falar correctamente, leia em voz alta um texto num lugar silencioso. Isto vai permitir que se oiça a si mesmo e deste modo pode corrigir-se e habituar-se a falar com a prótese.
  • Para trabalhar os músculos da face, os lábios e a lingua, pode praticar, em frente a um espelho, gestos normais como falar ou sorrir.
  • Se sente dor ao trincar, ou se tem feridas na boca provocadas pelo uso da prótese, deve consultar o Médico Dentista.

GENGIVAS:

  • A ausência dos dentes naturais leva ao desenvolvimento de um processo de perda óssea dos maxilares. Esta perda óssea faz com que a gengiva sofra alterações ao longo do tempo, no local onde a prótese está apoiada.
  • A gengiva vai retraindo e esta é a razão pela qual a prótese vai ficando cada vez mais desajustada. Estes desajustes na prótese provocam dor e desconforto.

FIXATIVOS (tiras fixativas, pó ou creme) – UMA GRANDE AJUDA:

  • Aumentam a estabilidade da sua prótese – a falta de estabilidade pode provocar feridas e úlceras nas gengivas, principalmente na fase inicial de adaptação à prótese, o que faz com que a mastigação seja mais lenta.
  • Aumenta a força de mordedura, para que possa trincar com mais confiança alimentos mais duros (como uma maça),
  • Evita a penetração de alimentos entre a prótese e a a gengiva (como sementes do tomate, morangos, kiwi) – que provocam desconforto e mau hálito.
  • Aumentam a sua segurança até que se esqueça que usa prótese

HIGIENE DA SUA PRÓTESE:

  • Escove a sua prótese com uma escova e pasta próprias para prótese.
  • Coloque a prótese num banho dental (água + pastilha de limpeza) durante 15 minutos, ou se preferir, durante a noite. Outra forma de limpar eficazmente a sua prótese é utilizar uma espuma antibacteriana em vez do banho dental.
  • Passe a prótese por água corrente antes de a voltar a colocar.

Quando a cárie dentária avança para o interior da estrutura dentária e chega à POLPA, que é o órgão que contém vasos e nervos, a dor pode ser insuportável.
A solução conservadora que evita a extracção do dente afectado é o tratamento dos tecidos doentes da polpa dentária, chamada “desvitalização” ou “tratamento de canal”.
O dente tratado desta forma pode permanecer anos na boca desempenhando as mesmas funções que um dente integro sem tratamento.
Uma ENDODONTIA é indicada quando uma cárie profunda atinge a câmara da polpa (nervo) ou em alguns casos de fracturas dentárias.
A polpa ( “nervo”) é removida e o espaço preenchido, permitindo assim conservar um dente que se não fosse este tratamento teria de ser removido e substituido por uma prótese removível, uma ponte ou um implante.
Todos os dentes têm uma câmara pulpar  e irrigação sanguínea. Em dentes saudáveis a polpa (“nervo”) está “vivo”.
Os dentes anteriores (da frente) usualmente têm 1 canal enquanto que os dentes posteriores (de trás) podem ter 2, 3, 4  ou mais canais.
Se uma cárie muito profunda atinge a polpa (“nervo”), ou se um dente tem uma fractura extensa, as bactérias podem causar a  sua”morte”. O canal ou canais do dente podem ficar infectados e um abcesso pode formar-se na zona óssea da raíz ou raízes do dente. A infecção pode ir aumentando e é habitual estar associada dor severa.
Normalmente o tratamento é feito em 2 consultas. O objectivo é remover as bactérias do interior do dente e fazer a limpeza e desinfecção dos canais das raizes. Isto é conseguido nos seguintes passos:
 1- faz-se um isolamento absoluto do dente com um dique de borracha para evitar a contaminação dos canais
2- faz-se a remoção de todo o tecido contaminado e um pequeno orificio no dente até à câmara da polpa
 2- localiza-se e faz-se uma medição do comprimento dos canais com um instrumento de elevada precisão (localizador apical)
 3- depois é feita a sua limpeza e alargamento usando uns instrumentos finos e adequados.
 4- Uma vez limpos, os canais são preenchidos e selados para prevenir a re-infecção.
A endodontia teve um grande desenvolvimento ao longo dos últimos anos, o que permitiu que estes tratamentos tenham uma taxa de sucesso e previsibilidade muito mais elevada.
É um tratamento feito com anestesia local para evitar dor e desconforto.

thumb_img_3506_1024

A ATM – articulação temporo-mandibular é a articulação que permite aos maxilares abrir e fechar, permitindo o movimento da mandíbula quando a boca abre e fecha.

Os PROBLEMAS DA ATM mais frequentes são dor e estalido, muito comuns na população adulta.

Outros sintomas incluem crepitação, limitação de abertura de boca, dores de ouvido e cabeça.

As CAUSAS dos problemas articulares incluem:
-aumento da actividade muscular (parafunção), desgaste da articulação, certo tipo de artrites e traumatismos.

O TRATAMENTO é dependente das circunstâncias de cada individuo, considerando a gravidade do problema e a sua causa.
Os tratamentos mais comuns incluem:
– descanso
– exercicios
– analgésicos e anti-inflamatórios
– controlo dos hábitos
– uso de goteiras para relaxamento muscular
– restaurações dentárias
– ortodontia

A saúde oral pode sofrer alterações pelo uso de próteses, medicamentos ou consequências de outras doenças.

CÁRIES RADICULARES (da raíz), mais comum em pessoas de idade mais avançada;

SENSIBILIDADE DENTÁRIA, pode aparecer ou agravar-se. As gengivas retraem com o tempo e ficam expostas zonas que não estão protegidas por esmalte;

XEROSTOMIA (SECURA DE BOCA), pode ser causada por medicamentos ou por alguma doença, e se não tratada aumenta o risco de problemas orais.

PRÓTESES DENTÁRIAS, devem estar sempre limpas e cuidadas como os dentes naturais. Recomenda-se utilizar uma escova especial para próteses.

DOENÇAS GENGIVAIS, transtorno potencialmente grave. Existem factores que podem aumentar a gravidade desta doença como higiene oral deficiente, doenças sistémicas como a diabetes, doenças cardiacas, cancro, factores ambientais como stress, tabagismo e o uso de medicamentos. Nas primeiras etapas a doença é reversivel, no entanto é muito importante detectá-la e tratá-la.

gravida

A gravidez causa alterações hormonais que aumentam o risco de desenvolver doença periodontal, que pode afectar a saúde do seu bebé em desenvolvimento.
Uma boa higiene dentária previne e/ou reduz os problemas de saúde oral.

Recomendações alimentares e de higiene oral:

– evite doces, chicletes e refrigerantes, a não ser que sejam sem açúcar
– coma refeições saudáveis e equilibradas (evite comidas ácidas e picantes, palitos, tabaco e álcool)
– lave os dentes, gengivas e língua com uma escova suave, após as refeições e ao deitar, durante 2-3 minutos
– deixe a escova dentária secar entre as escovagens
– use uma pasta dentífrica com flúor, e um elixir sem álcool
– use fio dentário
Antes de engravidar é muito importante ir a uma consulta de medicina dentária, de modo a iniciar a gestação com as suas gengivas e dentes no estado mais saudável possível.
– Nesta fase é importante o despiste e tratamento de problemas de saúde oral, limpeza dentária profissional e exame cuidadoso das gengivas.

Durante a gravidez

– As grávidas com enjoos, azia e vómitos, devem bochechar com água ou elixir
– O refluxo ácido/azia deve ser controlado para preservar a saúde oral e o esmalte. Comidas e bebidas como o chocolate, álcool, bebidas cafeinadas, chá, alho, cebolas, tomates, citrinos, picantes e fritos podem agravar esta situação.
– A halitose (mau hálito) é combatida com medidas como escovar bem os dentes, gengivas, lingua e palato com uma escova suave; usar fio dentário e elixir. Pode haver necessidade de trocar de marca de pasta dentifrica e/ou elixir se estes agravarem os enjoos gravídicos.
– A gengivite gravídica é uma situação frequente, caracteriza-se por gengivas sensíveis que sangram facilmente.
– Os raios X devem ser evitados. Se forem considerados essenciais podem ser efectuados com segurança, utilizando um raio X digital (tem um foco muito preciso e reduz a radiação em 90%), e protegendo o bebé com um avental de chumbo.
Após o parto deve ser feito check-up dentário.

A quimioterapia e a radioterapia da cabeça e pescoço aumentam os riscos de complicações orais.

Antes da quimioterapia é muito importante ir a uma consulta de medicina dentária, de modo a iniciar os tratamentos com as suas gengivas e dentes no estado mais saudável possível.

Durante a quimioterapia há deterioração dos dentes e gengivas, e um maior risco de hemorragia e infecção. Qualquer tratamento dentário terá de ser planeado com o médico oncologista e o médico dentista, e pode ser necessário fazer uma profilaxia antibiótica.

Após a quimioterapia os dentes e gengivas estão fragilizados, pelo que deve ser feito check-up dentário.

Uma boa higiene dentária durante e após a quimioterapia/radioterapia da cabeça e pescoço, reduz as complicações como cáries e infecções.

Recomendações para a higiene oral:
– Lave os dentes, gengivas e lingua com uma escova suave, após as refeições e ao deitar, durante 2-3 minutos
– Deixe a escova dentária secar entre as escovagens
– Use uma pasta dentifrica com flúor, e um elixir com flúor
– Use fio dentário
– Evite doces, chicletes e refrigerantes, a não ser que sejam sem açúcar
– Evite comidas ácidas e picantes, palitos, tabaco e álcool
– beba água para hidratar as mucosas da boca

Programe a consulta de Medicina Dentária, se possível, um mês antes do inicio dos tratamentos oncológicos.
Objectivos da consulta de Medicina Dentária:

1- Calendarizar os tratamentos dentários
– os tratamentos invasivos devem ser realizados pelo menos 15 dias antes da radioterapia da cabeça/pescoço; e 10 dias antes da quimioterapia.
– adiar os procedimentos cirúrgicos orais electivos até ao final dos tratamentos oncológicos.

2- Identificar e tratar
-Cáries
– Doença periodontal
– Doença endodôntica
– Lesões mucosas (mucosite)

3- Identificar e eliminar fontes de trauma e irritação oral, como por exemplo próteses removíveis mal adaptadas.

4- Ensino da higiene oral.

5- Prevenir desmineralização e cáries dentárias.

Todos os tratamentos dentários podem ser feitos com anestesia geral no bloco operatório, desde que as condições de saúde geral do doente o permitam, sendo avaliados por um Médico Anestesiologista. Normalmente são feitos quando há um risco de hemorragia associado, em cirurgias invasivas, em doentes com algum tipo de incapacidade, em crianças não colaborantes ou quando o doente não quer submetido ao tratamento em ambulatório/consultório.

Nestes casos, a Clinica conta com a colaboração da Médica Anestesiologista Dra. Rita Moutinho

PLACA BACTERIANA

É uma capa nociva de bactérias que se forma de maneira continua nos dentes. Estas bactérias produzem ácidos que fragilizam o esmalte favorecendo a formação de cáries. Também produz irritação das gengivas, produzindo uma gengivite que pode levar a quadros mais graves como a periodontite.
A única maneira de eliminá-la é mediante uma escovagem adequada e uma correcta limpeza dos espaços interdentários onde não chega a escova.

A ESCOVA

Na altura de escolher uma escova há alguns pontos a ter em conta:
Fácil de usar
A cabeça da escova tem que chegar a todas as áreas da boca
As cerdas não devem ser demasiado duras para não ferir a gengiva, nem demasiado suaves para permitir a correcta limpeza.
Trocar de escova de 3 em 3 meses ou quando apresente algum sinal de desgaste.

A ESCOVAGEM
Deve durar no minimo 2 minutos, dedicando 1 minuto para os dentes superiores e 1 minuto para os dentes inferiores.
Técnica 2 X 2 X 2
-2 vezes por dia
-2 minutos de escovagem
-2 horas sem comer a seguir à escovagem e ás refeições principais.

TÉCNICA

EXTERIOR

Coloque a escova com um ângulo de 45º apoiando na linha da gengiva e realize movimentos curtos sem exercer pressão.

INTERIOR FRONTAL

Coloque a escova verticalmente sobre a parte interna dos dentes, efectue movimentos curtos de vaivém.

INTERIOR LATERAL

Para a parte interior dos molares coloque a escova com um ângulo de 45º apoiado na linha da gengiva, realize movimentos curtos sem exercer pressão.

ZONAS DE MASTIGAÇÃO

Limpa-se os dentes com movimentos curtos da frente para trás.

 

A ESCOVA ELÉCTRICA

O processo de escovagem difere do processo manual.

EXTERIOR

Coloque a escova sobre cada dente apoiado na linha da gengiva.
Não deve realizar nenhum movimento de escovagem.

INTERIOR

Colocando a escova na face interna limpar cada dente individualmente.

INTERIOR POSTERIOR

Limpar a superficie atrás do último molar colocando a escova lateralmente

ZONAS DE MASTIGAÇÃO

Limpar de molar a molar

LIMPEZA INTERDENTÁRIA


Para limpar correctamente os espaços interdentários é fundamental o uso do fio/fita dentária.
Mesmo a escovagem mais profunda não consegue limpar toda a área do dente.

É possivel que nas primeiras vezes as gengivas sangrem. É normal, mas poderá ser indicio de uma doença gengival.

A limpeza deve realizar-se pelo menos 1 vez por dia, durante 2 ou 3 minutos.

Deve ser iniciada logo que possivel (2-3 anos). acreditando-se que por volta dos 8-10 anos a criança começa a ter a destreza manual e autonomia necessárias. Além de proporcionar uma sensação de limpeza de dentes e gengivas, conserva um hálito fresco e permite prevenir doenças gengivais.

Os PORTA-FIOS podem ser úteis para pessoas que:
estão a aprender a usá-lo;
pessoas que têm pouca destreza nos braços ou nas mãos;
pessoas que limpam os dentes de outra ( em crianças ou com algum tipo de incapacidade).

FIO DENTÁRIO

MODO DE UTILIZAÇÃO:
Tomar aproximadamente 50cm de fio dentário e envolvê-lo nos dedos médios, deixando mais fio num dedo que noutro e deixando cerca de 5cm de fio entre ambos.

Mantendo o fio entre os pulgares e os indicadores, deslizá-lo suavemente entre os dentes tendo o cuidado de não ferir a gengiva.
Curvar o fio à volta de cada dente formando um “C” e movê-lo entre o espaço para cima e para baixo incluindo a linha da gengiva. Desenrolar outro pedaço de fio à medida que se passa de um dente para outro.

 

OUTROS PRODUTOS DESENHADOS PARA A LIMPEZA INTERDENTÁRIA

ESCOVILHÃO INTERDENTÁRIO

Garante a eliminação da placa bacteriana situada nas superficies de contacto dos dentes.
Deve-se utilizar o tamanho mais adequado para cada espaço interdentário.
O escovilhão deve introduzir-se folgadamente, de modo que sejam os filamentos e não o arame, a estarem em contacto com os dentes. Move-se escovilhão de dentro para fora sem fazê-lo girar e limpá-lo depois de ser utilizado.

HIGIENE DA LINGUA – ESCOVA/RASPADOR DA LINGUA

Garante a eliminação das bactérias da superficie da lingua.
Determinados tipos de lingua (línguas fissuradas) têm mais tendência para a acumulação de bactérias.
Uma higiene correcta da lingua vai contribuir para uma melhor saúde oral.
Se não tiver o hábito de escovar a língua, pode sentir no inicio alguma tendência de reflexo de vómito. Comece por escovar a ponta da lingua, e depressa se vai habituando a escovar toda a superficie.

MODO DE UTILIZAÇÃO:

1- colocar a língua de fora e introduzir o raspador na boca.
2- com o bordo rígido, raspar delicadamente a superfície da língua, de dentro para fora, começando pelo centro e terminando pelos lados.
3- repetir o gesto com o bordo macio para uma limpeza mais suave.
4- enxaguar o raspador da língua entre cada passagem.
5- enxaguar a boca após cada utilização.
6- limpar o raspador de língua com uma solução anti-bacteriana, por exemplo Eludril colutório.

 

IRRIGADORES BUCAIS / JACTO DE ÁGUA

 

A COR NATURAL DOS DENTES depende fundamentalmente de 2 factores:
  • a espessura do esmalte, que faz com que seja mais ou menos translúcido;
  • a cor da dentina, que é o tecido que se encontra debaixo do esmalte.
Esta cor pode ser afectada por manchas intrinsecas (interior do dentes) ou extrinsecas (exterior do dente)

MANCHAS INTRINSECAS:

  • São as que se produzem dentro da estrutura dentária e podem estar incrustadas dentro dos tecidos.
  • As causas principais destas manchas são: idade, traumatismos, alguns medicamentos como as tetraciclinas ou o flúor.
  • Não podem ser eliminadas por meios mecânicos.

MANCHAS EXTRÍNSECAS:

  • São causadas por elementos externos como o café, chá, tabaco, vinho tinto, etc.
  •  Geralmente eliminam-se com uma limpeza profissional.

MÉTODOS PARA MODIFICAR A COR DOS DENTES:

1- PRÓTESES FIXAS (coroas, facetas):

Método para eliminar as manchas intrinsecas profundas.

2- REMOÇÃO DE MANCHAS SUPERFICIAIS:
Meios mecânicos, como a limpeza profissional.
3- BRANQUEAMENTO POR MEIOS QUÍMICOS
Usam-se produtos para branquear os dentes, em moldeiras (tratamento em casa) ou aplicação em consultório.

O BRANQUEAMENTO DENTÁRIO É UM TRATAMENTO ESTÉTICO

 A intensidade do branqueamento depende de cada doente.
 Antes de realizar um branqueamento é obrigatório fazer uma limpeza(destartarização) para poder eliminar todas as manchas extrínsecas (exteriores) e para que o produto tenha a máxima eficácia.  Podem também ser necessários outros tratamentos dentários prévios ao branqueamento – só pode ser feito branqueamento a dentes e gengivas saudáveis.
As restaurações ou coroas que o doente já tinha em boca não modificam de cor, por isso é necessário substituir posteriormente todas as restaurações com compromisso estético para igualar a cor conseguida com o branqueamento.
O branqueamento é um tratamento que provoca sensibilidade dentária, de modo que é recomendado fazer uma pasta dentifrica e um elixir especifico para dentes sensíveis antes e durante o tratamento. Os dentes podem ficar mais sensiveis ao quente e ao frio das comidas e bebidas uns dias após o tratamento de branqueamento. No entanto esta sensibilidade é temporária.
Pode ser feito branqueamento com moldeiras em casa, que são formas transparentes dos dentes, feitas individualmente para cada doente em laboratório e onde se coloca um agente branqueador, que pode ter diferentes concentações.
O Médico Dentista toma um molde dos dentes e envia para o laboratório que fabrica uma moldeira com as medidas exactas dos dentes do doente. O doente coloca na moldeira o gel branqueador durante umas horas por dia ou durante a noite, durante 1-2 semanas.
Pode também ser feito branqueamento em consultório sendo que neste caso é o Médico Dentista o responsável pela aplicação do agente branqueador, que é mais concentrado do que o usado em casa pelo doente. É um procedimento que demora cerca de 1h30m. O médico Dentista protege a gengiva com um gel antes da aplicação do branqueador.
O agente branqueador pode ser aplicado exteriormente no dente na maior parte dos casos, ou no seu interior no caso de dentes com endodontia (dentes “desvitalizados” ou com “tratamento de canal”)
Um branqueamento pode durar até 3 anos mas depende de cada caso particular. Um branqueamento a um doente fumador ou que beba muito café ou chá não é tão durável.
As pastas dentifricas branqueadoras por si só não são capazes de fazer um branqueamento. Contêm abrasivos ou agentes de polimento para remover pigmentos superficiais mais eficazes que as pastas dentifricas convencionais. No entanto são capazes de prolongar os efeitos de um tratamento de branqueamento.

O QUE FAZER SE O DENTE… CAIR OU PARTIR???

(RECOMENDAÇÕES DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS)

O primeiro passo é encontrar o dente ou o fragmento.
Segurar o dente/fragmento firmemente pela coroa.
Lavá-lo bem com soro fisiológico ou leite.
Seguir uma destas alternativas:
a) colocar o dente de volta no seu lugar
b) colocar o dente num copo com leite ou soro
c) colocar o dente entre a bochecha e a gengiva
Em todos os casos deve consultar o Médico Dentista o mais rapidamente possivel, preferencialmete nos primeiros 30 minutos.